A atividade desenvolve-se em Angola, Brasil e Portugal e engloba também as áreas do ambiente, automóvel, serviços e hotelaria.

A atividade desenvolve-se em Angola, Brasil e Portugal e engloba também as áreas do ambiente, automóvel, serviços e hotelaria.

O grupo Monte, de cariz familiar e sediado na Póvoa de Varzim (zona Norte), relançou nos últimos dois anos a atividade de construção, que durante décadas foi o seu segmento 'core'. “Nos últimos tempos executámos algumas obras, incluindo obras públicas, localizadas, sobretudo, em zonas geograficamente naturais para a empresa, ou seja, o Minho”, destaca ao idealista/news, Tiago Melo Patrício, CEO do grupo Monte.
O conglomerado empresarial, que desenvolve a sua atividade em Angola, Brasil e Portugal e atingiu em 2019 um volume de negócios consolidado de 25 milhões de euros, “tem em carteira mais de dois milhões de euros em obras de construção civil e infraestruturas”, frisa o responsável. Acrescenta que o caminho para retomar o mercado “assenta no aumento da capacidade de produção interna e em parcerias com empresas do setor que conhecem bem o grupo”. 

Consórcio com Mota-Engil no Póvoa Arena 

Nesta vertente, o grupo Monte – em consórcio com a Mota-Engil - está pré-qualificado para desenvolver o projeto Póvoa Arena, que vai ocupar a antigo praça de Touros da Póvoa de Varzim. O empreendimento avançou recentemente com aprovação, pelo executivo camarário local, da primeira fase do concurso para a sua requalificação. “Trata-se de um projeto com um investimento de cerca de oito milhões de euros, sendo que a Monte tem uma participação de 20%”, refere o responsável.
No segmento imobiliário – onde o grupo desenvolveu nas últimas décadas um conjunto alargado de empreendimentos de habitação, em Portugal e Angola, – Tiago Patrício destaca a promoção de um empreendimento de habitação, com 40 apartamentos, ainda "em fase de anteprojeto”, dando nota de que estão “atentos a outras oportunidades”.
Na componente hoteleira, o grupo Monte detém as unidades de 4 estrelas, Boega Hotel - em Vila nova de Cerveira, com 29 quartos -, e o InLima, em Ponte de Lima com 30 quartos. E também o grupo Axis com unidades localizadas desde Póvoa de Varzim, Ofir, Viana do Castelo, Porto, Ponte de Lima e Braga até ao Axis Golfe Ponte de Lima.  

Fundasol Brasil com várias obras de entidades publicas  

A atividade do grupo Monte desenvolve-se nos três mercados internacionais, em áreas como ambiente, automóvel, serviços, hotelaria, construção e imobiliário, sendo que "o objetivo é crescer de forma calma em cada mercado e em cada segmento”.
No caso do Brasil, onde estão presentes sobretudo na construção, destaca-se a Fundasol, que resulta de uma parceria com a construtora brasileira Crisciuma, realizada em dezembro de 2011 e tem uma carteira de obras de cerca de 100 milhões de reais (à volta de 20 milhões de euros). A empresa atua em áreas como a consolidação de fundações, tratamento de solos e recuperação de património, e tem “trabalhado para clientes como o município de São Paulo e para a Sabesp, empresa de saneamento e abastecimento de água deste estado brasileiro”, frisa.
De acordo com Tiago Patrício, o conjunto de obras em desenvolvimento neste mercado – onde estão presentes desde 2009 - levou o grupo Monte a criar uma nova empresa, em 2018, no setor da construção brasileira, a Zigurate Construção e que está a participar em “concursos de águas, saneamento, mas também de estradas e infraestruturas”, promovidas já na era Bolsonaro, atual presidente do Brasil. 

Acompanhar o crescimento de Angola 

Já no mercado angolano, onde o grupo Monte está presente desde 2002, destacam-se sobretudo os investimentos no setor automóvel e no ambiente, distribuindo a sua atividade por várias províncias, como é o caso do Huambo, Bié, Benguela e Luanda. Estas são as duas áreas que continuam com forte expressão no mercado angolano, embora – de acordo com o gestor-, estejam atentos às obras de construção e infraestruturas, que se prevê possam avançar quando estiver desbloqueada a verba dos dois mil milhões de euros do Fundo Soberano de Angola. “A ideia é acompanhar o desenvolvimento de Angola e crescer quando for possível esse crescimento”, frisa. 
Na opinião do responsável, este é um mercado que “por muitas dificuldades que existem, tem ainda muito para construir e os mais aptos têm sempre oportunidades de trabalho”. Um facto que leva a Monte a continuar a incrementar a sua presença neste mercado.
Por isso, o grupo decidiu investir, recentemente, numa nova área, uma fábrica de lâmpadas LED – que utiliza o sistema de micro LED – e que se destina a iluminação publica. Abriram um showroom de produtos da Microplus, na cidade de Viana, província de Luanda, e o objetivo, é concorrer aos “concursos de eletrificação dos espaços públicos”, indica.

Fonte: https://www.idealista.pt/news/imobiliario/construcao/2020/03/06/42650-grupo-monte-relanca-construcao-em-portugal-e-prepara-novos-investimentos-na