Existem atualmente cerca de 105.423 cidadãos brasileiros a viver em Portugal, segundo dados do último relatório do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) - são, de resto, a maior comunidade estrangeira a viver no país. Há quem venha para trabalhar, mas também para investir, por exemplo, no mercado imobiliário. Um cenário que veio alimentar o regresso daquela que é a 2ª edição do Salão Internacional Imobiliário no Brasil (SIIBRA), uma oportunidade para os profissionais portugueses conquistarem investimento “lá fora”.
Depois do sucesso do ano passado, o SIIBRA regressa para uma nova edição, desta vez em São Paulo, de 25 a 29 de agosto de 2019 - será o parceiro oficial do Secovi/SP, o maior evento do setor do imobiliário no Brasil. Guimênia Nogueira, responsável pelo SIIBRA, revela ao idealista/news que este pretende ser – mais uma vez - um ponto de encontro para empresários, investidores, consultores de imóveis de todo o Brasil e do mundo, em especial mediadores portugueses, promotores, organismos públicos e potencial público comprador, num evento de networking recheado de conferências, seminários e workshops.
A responsável pelo evento, que é mediadora há 28 anos e representante do SIL – Salão Imobiliário de Portugal no Brasil desde 2004, não tem dúvidas de que o SIIBRA é uma “catapulta” de negócios capaz de potenciar a relação entre os dois países, nomeadamente “no apoio às empresas, explorando as oportunidades no mercado nacional e internacional, promovendo a sua internacionalização e network”. A responsável revela que terá uma área de 200 m2 para expositores portugueses, adiantando já existirem muitos 'players' interessados.
Imobiliário português é “válvula de escape” para crise no Brasil
Guimênia considera que o mercado imobiliário português se tornou uma válvula de escape para a crise financeira no Brasil. “Desde que a economia nacional entrou em queda, a compra de imóveis por brasileiros disparou, levando o Brasil ao primeiro lugar entre os países de fora da União Europeia em volume de investimento nesse setor em Portugal”, declara a responsável.
“Há dois anos que digo publicamente que o investimento brasileiro tem um enorme potencial para o nosso imobiliário. A procura acentuou-se ainda mais devido à crise económica, política e social que o Brasil atravessa. Não há dúvida de que os investidores brasileiros estão a encaminhar os seus investimentos para Portugal”, refere. A responsável acredita que por detrás desta tendência estão a estabilidade do euro e o baixo custo de um imóvel em Portugal, em comparação com outros países europeus.

Existem atualmente cerca de 105.423 cidadãos brasileiros a viver em Portugal, segundo dados do último relatório do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) - são, de resto, a maior comunidade estrangeira a viver no país. Há quem venha para trabalhar, mas também para investir, por exemplo, no mercado imobiliário. Um cenário que veio alimentar o regresso daquela que é a 2ª edição do Salão Internacional Imobiliário no Brasil (SIIBRA), uma oportunidade para os profissionais portugueses conquistarem investimento “lá fora”.
Depois do sucesso do ano passado, o SIIBRA regressa para uma nova edição, desta vez em São Paulo, de 25 a 29 de agosto de 2019 - será o parceiro oficial do Secovi/SP, o maior evento do setor do imobiliário no Brasil. Guimênia Nogueira, responsável pelo SIIBRA, revela ao idealista/news que este pretende ser – mais uma vez - um ponto de encontro para empresários, investidores, consultores de imóveis de todo o Brasil e do mundo, em especial mediadores portugueses, promotores, organismos públicos e potencial público comprador, num evento de networking recheado de conferências, seminários e workshops.
A responsável pelo evento, que é mediadora há 28 anos e representante do SIL – Salão Imobiliário de Portugal no Brasil desde 2004, não tem dúvidas de que o SIIBRA é uma “catapulta” de negócios capaz de potenciar a relação entre os dois países, nomeadamente “no apoio às empresas, explorando as oportunidades no mercado nacional e internacional, promovendo a sua internacionalização e network”. A responsável revela que terá uma área de 200 m2 para expositores portugueses, adiantando já existirem muitos 'players' interessados.
Imobiliário português é “válvula de escape” para crise no BrasilGuimênia considera que o mercado imobiliário português se tornou uma válvula de escape para a crise financeira no Brasil. “Desde que a economia nacional entrou em queda, a compra de imóveis por brasileiros disparou, levando o Brasil ao primeiro lugar entre os países de fora da União Europeia em volume de investimento nesse setor em Portugal”, declara a responsável.
“Há dois anos que digo publicamente que o investimento brasileiro tem um enorme potencial para o nosso imobiliário. A procura acentuou-se ainda mais devido à crise económica, política e social que o Brasil atravessa. Não há dúvida de que os investidores brasileiros estão a encaminhar os seus investimentos para Portugal”, refere. A responsável acredita que por detrás desta tendência estão a estabilidade do euro e o baixo custo de um imóvel em Portugal, em comparação com outros países europeus.

Fonte: https://www.idealista.pt/news/financas/investimentos/2019/07/19/40326-investidores-brasileiros-continuam-de-olho-em-portugal-sao-a-maior-comunidade