Serão cerca de dois mil milhões de euros de fundos europeus e instrumentos financeiros, para apoiar intervenções de reabilitação, sobretudo de edifícios privados.

Pedro Marques referiu durante o seu discurso que o sector tem vindo a dinamizar e é visível o aumento de transacções, bem como o investimento estrangeiro. Adiantou alguns números suportados pelos últimos resultados do INE em que frisou que o número de edifícios licenciados cresceu 12% no segundo trimestre deste ano, em termos homólogos, e um crescimento de 9,7% em cadeia. Revelando também que o crescimento também foi verificado ao nível das construções novas, de mais 12%, assim como mais 11% na reabilitação de edifícios. Não esquecendo também na evolução do emprego nos sectores da construção e imobiliário.